Encerramento da programação teve Alavontê, Os Informais, É o Tchan e Rumpillezinho
 
Uma semana intensa com mais de 100 apresentações em 27 localidades de Salvador. O Festival da Cidade, que homenageou os 468 anos da primeira capital do país e terminou no domingo (02), foi bem avaliado pela Empresa Salvador Turismo (Saltur), responsável pelo evento. O órgão estima que mais de 70 mil pessoas compareceram nos shows realizados sábado e domingo, nos bairros de Cajazeiras e Periperi, para curtir atrações locais e nacionais como Harmonia do Samba e as sertanejas Simone e Simaria. 
 
“Conseguimos fazer uma semana repleta de apresentações com os mais variados formatos possíveis, atingindo a todas as classes sociais e todos os gostos do público. Esse tipo de atividade contribui muito para dinamizar os espaços públicos da cidade, onde a Prefeitura tem feito um esforço de melhorar e ampliar as estruturas dos espaços públicos e devolver a cidade ao cidadão”, explicou o gestor da Saltur, Isaac Edington. 
 
Nesta edição do Festival da Cidade, foram englobadas manifestações culturais como: artes, por meio da exposição Telas da Cidade; esporte, com a realização do Campeonato Baiano de Stand Up; além de gastronomia, fotografia, cinema, teatro, humor e múltiplas atrações musicais em vários bairros da capital. Com isso, Salvador fortalece e mantém a efervescência cultural presente na capital, valorizando os artistas locais e suas atividades, além dos produtores que fomentam uma cadeia econômica importante para a cidade
 
Edington afirmou que, além da diversidade cultural que a população pôde apreciar nos últimos dias, um dos destaques da edição foi a abrangência geográfica da festa, que utilizou locais como Parque da Cidade, Espaço Cultural da Barroquinha, Teatro Gregório de Mattos, Avenida Magalhães Neto, Vale das Muriçocas, Dique do Tororó, além de estações de transbordo e pontos de ônibus.
 
“Esse tipo de atividade que realizamos no festival - e que a gente consegue dinamizar no calendário de eventos da cidade o ano inteiro - é um dos diferenciais de Salvador. Esse tipo de programação tem uma grande importância para o desenvolvimento econômico da cidade que vive da economia criativa, de produção cultural, entretenimento, serviços e gastronomia”, finalizou o gestor.